ALIMENTAÇÃO VS TREINO - a importância da alimentação no exercício físico.

Hoje no dia Mundial da Alimentação vamos analisar o impacto da alimentação na atividade física e acredite é bastante!

Na atualidade o estilo de vida que levamos é por si só um promotor de saúde ou a doença. Alimentação desequilibrada, a obesidade, o sedentarismo, o stress, o tabaco, entre outros são fatores que acarretam risco para a saúde física e mental do individuo.


A atividade física regular é portanto fundamental no equilíbrio da balança do bem-estar e fulcral para todos os que se preocupam em se manter (ou tornar) saudáveis, a OMS

compreende como prática regular, todos os dias, ou a maior parte dos dias da semana, pelo menos 30 minutos e com intensidade suficiente, para aumentar a frequência cardíaca.


Os hábitos alimentares e a transformação do padrão alimentar ao longo do tempo assume aqui uma enorme importância no nosso estilo de vida, sendo esta cada vez mais deficitária, monótona e desequilibrada, com excesso de carne e de alimentos processados, ricos em gordura e em sal, muitos doces e carência de legumes e fruta, peixe e cereais mais completos.

A explosão do fast-food e forte contante presença nos vários outlets de comunicação que nos leva a desejar consciente e inconscientemente alimentos cuja composição nutricional não a conhecemos, a falta de tempo para preparar refeições caseiras e até para comer, a cereja no topo do bolo que muito contribuiu para a situação alimentar atual.



Mas comer saudavelmente não é impossível nem assim tão complicado e até pode ser mais barato. É essencial ter espirito critico, bom senso e aplicar estas pequenas regras de enorme importância:


1 – Há alimentos para todos os dias e alimentos para de vez em quando. Nada é proibido mas os alimentos com mais gordura, açúcar e sal devem sem consumidos com menor frequência;


2 – Tenha uma alimentação variada e respeite as proporções sugeridas pela roda ou pela pirâmide dos alimentos, variando o mais possível os alimentos dentro de cada grupo e ao longo das várias épocas do ano;


3 – Faça pequenas refeições durante o dia para ajudar a ansia de comer e a dosear a quantidade de alimentos que se ingere cada refeição principal;


4 – As refeições principais para além da carne ou peixe e dos farináceos devem conter SEMPRE legumes crus ou cozinhados e sopa;



5 – A água é essencial e deve ser ingerida ao longo do dia independentemente do consumo de outras bebidas;


6 – Regule a quantidade de alimentos que ingere mediante ao seu nível de atividade física de modo a manter um peso equilibrado;


A atividade física e os hábitos alimentares adequados, são indissociáveis sendo que os mesmos são essências para um rendimento satisfatório

Os alimentos são a fonte energética do nosso organismo na prática do desporto e para o seu funcionamento em geral. Os músculos e o cérebro necessitam constantemente de glicose para se alimentarem e responderem de forma adequada. A glicose proveniente a partir dos alimentos que se ingere antes e durante os estimulo físico, sobretudo quando estes são prolongados.

Quando um atleta não ingere uma quantidade suficiente de alimentos fornecedores deste nutriente, o organismo tem que recorrer a um “combustível” alternativo. Poderá obtê-lo a partir das suas reservas, mas provoca um maior esforço e desgaste que pode conduzir a grandes desequilíbrios do organismo.

.

Outro aspeto importante para quem pratica regularmente exercício é manter uma boa hidratação. O organismo humano de um adulto é composto por cerca de 60% de água. Esta desempenha muitas funções, algumas das quais são fundamentais durante a atividade desportiva. Deve por isso beber-se água, independentemente de não sentir necessidade.